segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Algumas reflexões após um domingo em defesa do Pará

O dia de ontem marcou o processo de luta contra a divisão do estado do Pará. As quatro carreatas ao todo juntaram conforme dados atualizados cerca de mil automóveis e milhares de pessoas. A cada dia que passa cresce o engajamento da população de Belém contra a divisão. A Região Metropolitana que já possui 84% como índice de rejeição foi sacudida na manhã de ontem quando recebemos diversas manifestações de apoio.
Contudo este não é o momento para nos acomodarmos. Ainda faltam duas semanas e tudo pode acontecer neste período. A nosso luta passa a ser também contra a abstenção e contra as fraudes. Soube que hoje foi apreendido pela Frente contra Tapajós um material do Sim ensinando a população a votar 77 como se fosse um voto para o Não. Ja vi até fotos fraudadas do Neymar, Ganso e Lula pedindo voto para o Sim. Lamentavelmente isto ainda acontece em nossa política.  Ademais, já há um alerta para possíveis fraudes nesta votação na medida em que esta não é uma eleição comum na qual há candidatos que mutuamente se fiscalizam. Precisamos estar alerta!
Ontem notei um fato curioso. Alguns políticos que nunca deram as caras neste processo apareceram se colocando como arautos da unidade territorial do estado do Pará. Fiquei me perguntando onde este camarada estava nos últimos três meses? Agora vai aparecer um monte de heróis. Claro, depois da última pesquisa alguns se sentiram mais a vontade para aparecer ou descer dos muros. Contudo, precisamos valorizar aqueles que desde o início deram a “cara a tapas”.
Outra curiosidade: Hoje em Brasília me deparei com o Jornal Hoje em Dia no qual o Deputado Giovanni Queiroz está defendendo a divisão do Pará. O discurso já é o conhecido. Todavia me chamou a atenção o seguinte trecho: “Defensor do voto sim, Queiroz garante que todo o custo seria absorvido pelos cofres estaduais dos novos estados e não acarretará ônus nenhum à União...”. Lembro-me de algumas vezes ter escutado os separatistas alegarem que o ônus seria da União. Curioso se não fosse controverso!  

2 comentários:

  1. Mas esse plebiscito tá se tornando uma enxurada de canalhices!
    Por isso quando mais informados tivermos melhor,porque só o conhecimento que nos conduz a liberdade!
    Bom trabalho Eduardo!Suas palestras estão elucidando a cabeça de muitas pessoas, há muito coisa escondida no meio de tanto discursso.

    ResponderExcluir
  2. Em qualquer campanha eleitoral é necessário valorizar os batalhadores de primeira hora, pois se não fosse por eles, a bandeira não teria sequer mastro. Quando uma disputa já está definida, fica muito fácil abraçar um determinado lado - apenas por casuísmo.

    Assim foi com Jatene em 2010, com Duciomar em 2008, Ana Júlia em 2006 e assim será com o plebiscito de 2011.

    ...e do jeito que nós bem conhecemos o comportamento eleitoral do deputado Giovanni, é bem capaz de nas vésperas até ele mesmo virar "unionista". No máximo no dia seguinte ao resultado.

    ResponderExcluir