quarta-feira, 21 de março de 2012

CORECON-PA realiza Mesa-Redonda para discutir os impactos políticos e econômicos no Pós-Plebiscito


O Conselho Regional de Economia do Estado do Pará (CORECON-PA) realizou a Mesa-Redonda: “Os Desafios e Perspectivas para o Desenvolvimento do Estado do Pará no Pós-Plebiscito da Divisão”, que contou com a participação de mais de 40 estudantes e profissionais de economia.
O encontro foi moderado pelo Conselheiro João Tertuliano Lins, que convidou os presentes para participar do VI Encontro de Entidades de Economistas da Região Norte (ENAM), que será realizado nos dias 06, 07 e 08 de junho, em Belém e terá como tema principal “1912 – 2012 Cem Anos da Crise da Borracha: do Retrospecto ao Prospecto”.
Ao iniciar o evento, o Presidente do CORECON-PA, Antônio Ximenes fez a entrega da placa alusiva aos 60 anos da profissão do economista no Brasil. Na ocasião, foram homenageados os economistas Sérgio Roberto Bacury de Lira, Ex-Presidente do CORECON-PA e atual Secretário de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças (SEPOF) e Ramiro Fernandes Nazaré, Professor da Universidade Federal do Pará (UFPA) e escritor do livro “Tijoca: O Porto da Discórdia”, lançado recentemente.


 A Mesa-Redonda contou ainda, com a participação do Conselheiro do Conselho Federal de Economia (COFECON), o economista Eduardo Costa, que fez uma análise prospectiva ao plebiscito e ressaltou que o os maiores desafios do governo do Estado no pós-plebiscito estão relacionados à inflexão em termos de políticas públicas, planejamento, capacidade de intervenção do governo e governabilidade.
 Já o Cientista Político e Professor da Universidade Federal do Pará (UFPA), o economista Roberto Corrêa, chamou a atenção para a importância de se começar a pensar no debate sobre reforma política. Ao analisar o cenário político pós-plebiscito, ele destacou também que o recente sistema democrático brasileiro ainda precisa ser aperfeiçoado, pois atualmente as instituições jurídicas sofrem influências políticas e tomam decisões baseadas em interesses.


 Para a aluna do 1º semestre do Curso de Economia, Gessiane Paulino, o debate foi importante no sentido de esclarecer as dúvidas de quem participou na decisão do plebiscito. “A palestra é interessante, pois como venho de Uruará, Oeste do Pará, votei no SIM, uma vez que via a divisão como desenvolvimento do nosso município. Porém, acredito assim como os palestrantes afirmaram que se não houver um planejamento para melhorias nas regiões afetadas, a insatisfação da população só aumentará. Dessa forma, acredito que é preciso  uma gestão para uma melhoria coletiva”, afirmou.
 “O debate serviu como um modo de esclarecer a visão que temos de como o plebiscito influenciou o nosso Estado e de que essa história ainda não terminou, muito pelo contrário foi só mais uma página acrescentada nessa história”, disse a estudante do 3º semestre do Curso de Economia, Driely Falcão.

Fonte: Assessoria de Comunicação do CORECON-PA

Nenhum comentário:

Postar um comentário