domingo, 17 de junho de 2012

E OS PAIS? ONDE ESTÃO?


Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Dois domingos atrás, vindo para a igreja, peguei a Rodovia Duca Serra. Na praça do Cabralzinho vinha uma pré-adolescente, em sentido oposto, para atravessar a rodovia. Seguia para o ponto de ônibus. Talvez fosse para o Marabaixo ou Goiabal. Trazia a Bíblia e a revista de EBD, num andar sereno.  Eram 8 horas da manhã, e ela, toda arrumada, ia à igreja, sob o sol amapaense.
Primeira observação que fiz à Meacir: “E os pais, onde estão?”. Ela respondeu: “Provavelmente dormindo!”. Mas a jovenzinha estava acordada e disposta.
Inquieta-me que nossas igrejas percam muitos de seus jovens para o mundo. E, em muitos dos casos, os pais têm parcela de responsabilidade. Eles não conseguem acordar aos domingos, embora o façam durante toda a semana, para irem ao trabalho. É que Deus e sua casa não lhes são relevantes! Quando pais mostram o amor a Deus em suas vidas e o interesse pela casa de Deus com suas atitudes, os filhos veem a seriedade de sua fé. Crianças são mais suscetíveis às atitudes que às palavras. Elas intuem se há autenticidade no que se fala.
Lembro-me de um homem que não transmitia valor espiritual algum a seu filho, embora fosse líder na igreja. Dizia que não desejava impor-lhe sua fé.  Algo que aprendera como cristão era prezar a liberdade de consciência. Perguntei-lhe por que dera uma camisa do Corinthians ao filho, ao invés de deixá-lo ser palmeirense ou sãopaulino. Tinha mais zelo pelo seu time de futebol que pela fé salvadora que há em Jesus Cristo. Na realidade, seu apreço à liberdade de consciência era apenas falta de interesse pela salvação do filho.
Não quero ser rude, mas há pais cristãos que estão empurrando os filhos para fora do evangelho. Mais tarde lamentarão muito. Estudando famílias evangélicas, alguém falou da síndrome da terceira geração. Alguém se converte, é zeloso pela fé, e constitui família que aprende a zelar pela fé. Passa isso para aos filhos, mas quando a fé chega à terceira geração, chega bem descorada. Os filhos estavam sempre se queixando dos crentes e das igrejas, e os netos se desinteressaram.
Pais que não transmitem a fé aos filhos lembram-me a geração pós-Josué, que não ouviu dos pais os grandes feitos do Senhor e então o abandonou e serviu a ídolos (Juízes 2.11-13). Pais que não transmitem a fé pecam contra Deus e contra seus filhos! Pais que transmitem a fé lembram-me Timóteo. O líder cristão pós-Paulo era a terceira geração de cristãos fiéis (2Timóteo 1.5).
Por isso, carinhosamente lhes digo, pais e avós: Cuidem de seus filhos! Cuidem de seus netos! Não sejam como a geração de Juízes, mas como Loide e Eunice, avó e mãe de Timóteo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário