quarta-feira, 15 de agosto de 2012

15 de Agosto – temos o que comemorar?


Como estou em plena campanha e sem tempo para fazer uma das coisas que mais gosto, escrever, resolvi, para não deixar passar batido esta importante data, requentar parte do que escrevi um ano atrás. Peço perdão aos leitores por este desleixo, mas espero que entendam.

“Hoje, dia 15 de agosto, é uma data especial na história do Pará. No dia 15 de agosto de 1823 a Província do Grão-Pará e Maranhão aderiu ao império brasileiro, tendo como imperador Dom Pedro I. O fato é que a adesão do Pará ao império foi um acontecimento pouco democrático. Na verdade, a Província do Grão-Pará e Maranhão foi forçada sob ameaça de invasão militar a aderir à independência brasileira. Até então, a Província  do Grão-Pará tinha muito pouca relação econômica e política com o restante do Brasil, e estabelecia relações diretas, sem mediações, com a Metrópole, Portugal.
Em meio a chantagens e ameaças a elite paraense da época “negociou” com o império brasileiro a adesão, recebendo em troca a garantia de que os cargos públicos permaneceriam intocados. Alguns poucos ensaiaram uma corajosa resistência, tendo esta tragicamente acabado no episódio do Brigue Palhaço, quando 256 paraenses contrários a adesão foram asfixiados no porão do navio São José Diligente. Alguns anos depois, no ano de 1835, movimentos populares também foram cruelmente reprimidos na Revolta da Cabanagem.
   O fato é que o Grão-Pará deixou efetivamente de ser uma colônia de Portugal para se tornar uma colônia brasileira. Até hoje vivemos sob os auspícios de um novo pacto colonial imposto pela República Federativa do Brasil. O pacto federativo brasileiro é lesivo ao estado do Pará. Falta um projeto de nação para a Amazônia, e este rincão do Brasil é pensado somente como mero fornecedor de produtos naturais, insumos e matérias-primas. O Brasil não tem um projeto de desenvolvimento para a Amazônia e quando se pensa este pedaço do país, é pensado somente no fluxo out. Exemplos claros desta distorção federativa é a Lei Kandir e a “ilógica lógica” de cobrança do ICMS de energia elétrica somente no destino.
Concluo afirmando que precisamos de uma nova Cabanagem. Precisamos nos libertar deste colonialismo interno.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário