sábado, 10 de novembro de 2012

O mundo contemporâneo e os fundamentos do verdadeiro cristianismo


Eduardo Costa

Texto de referência: “Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática, será comparado a um homem prudente, que edificou a casa sobre a rocha. Mas todo aquele que ouve estas minhas palavras, e não as põe em prática, será comparado a um homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia.” (Mt 7.24,26).

1.  A cultura pós-moderna contemporânea
Vivemos numa era cultural bastante específica da humanidade, a chamada Era da Pós-Modernidade que difundiu, através da globalização e dos meios de comunicação instantâneos, um padrão de vida que passa a ser copiado como paradigma de referência ao redor do mundo.
Neste modelo de comportamento estimula-se o individualismo, o egoísmo, o culto ao estético – cujo um de seus desdobramentos é o culto ao corpo –, e o hedonismo, que se manifesta na busca incessante por prazer. Dizem os especialistas, antropólogos e sociólogos, que o ser humano é um animal social em constante busca por prazer, comportamento este potencializado pelo sistema capitalista que se utiliza deste padrão de comportamento para viabilizar a reprodução do capital em um processo ininterrupto, ampliado e global.
Talvez a principal consequência deste “estilo de vida” se expressa na inversão de valores comportamentais em nossa sociedade. Hoje ter é muito mais importante do que ser. O homem não é mais avaliado pelo seu padrão ético e moral. Mas passa a ser valorizado de acordo com o patrimônio acumulado ou de acordo com a posição social que ocupa.     

2.  A pós-modernidade invade as igrejas cristãs

Lamentavelmente este padrão de comportamento passa a invadir as igrejas cristãs. Em vez do Cristianismo influenciar o mundo – novamente história se repete –, mais uma vez a cultura e o estilo de vida de uma época passam a moldar a igreja e a sua liturgia. O maior exemplo disto é a propagação da Teologia da Prosperidade. Muitas igrejas cristãs passam a dar muito mais importância às bênçãos do que ao Abençoador.
Para muitos a igreja não passa de um mero clube social, com atividades lúdicas que passam a envolver a família, peças, encontros, retiros, passeios, almoços e jantares. É um lugar de pessoas agradáveis. Contudo, lamentavelmente, não passa disto. Querem ser constantemente servidas, mas não estão dispostas a servir, se envolver na obra, arregaçar as mangas. Estão lá somente para receber, receber e receber. Muito pouco ou quase nada têm para dar.
Ao lado disto assistimos a cultos, que enfatizam sobremaneira a manifestação de dons espirituais, nos quais a mensagem da cruz, do arrependimento, do perdão e da necessidade de uma verdadeira conversão some para não desagradar a uma plateia que quer ver o seu ego constantemente “amaciado”. Estão atrás de verdadeiros “espetáculos gospel”, onde se não houver cânticos animados, glossolalia, profecias, manifestações claras, constantes e diárias de prodígios e milagres, o Espírito Santo não se fez presente.
Vivemos uma era da efervescência de um cristianismo deturpado, com sintomas claros de uma nova onda de sincretismo religioso, na qual Aará (Meu Pastor), Adon Hakavod (Rei da Glória), Adonay (Senhor), El-Berit (Deus da Aliança), El Caná (Deus que Cuida), El-Nosse (Deus de Compaixão), El-Ne’eman (Deus de Graça e Misericórdia), El-Olan (Deus da Eternidade), El-Raí (O Deus que tudo vê), El-Sale’i (Deus é a minha rocha, o meu refúgio), El-Sadday (Deus Todo Poderoso), Eloim (Altíssimo), Gibbor (Poderoso), Jeová Jire (Deus de Abrão, Isaque e Jacó), Kadosh (Santo), Mikadiskim (Que nos santifica), Palet (Libertador), Rofecha (Que te sara), passa a ser “servo” de um cristão imaturo, que quer, quer, quer... E para isto profetiza, determina, declara...

3.     Fundamentos do verdadeiro cristianismo

Muitas igrejas distanciaram-se dos fundamentos do verdadeiro cristianismo, aquele vivido pela igreja primitiva e defendido pelos heróis da Reforma Protestante.  A mensagem que deve ser pregada é a mensagem da Cruz, do céu e do inferno, da confissão dos pecados, do arrependimento, da justificação pela fé, da conversão, da busca pela santificação, do serviço, da compaixão e da caridade.
O verdadeiro cristão não deve ser medido pelo sucesso no acúmulo de bens materiais, pela manifestação de dons espirituais ou pela realização de milagres e prodígios, mas sim pelo fruto do Espírito Santo. Como o Apóstolo Paulo escreveu: "Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei." (Gálatas 5:19-23).
O verdadeiro cristão não profetiza, determina, declara, ele se coloca diante do Altar de da vontade do Altíssimo: – Senhor é da tua vontade? O verdadeiro cristão não adora somente em época de bonança. O verdadeiro cristão não deixa de passar por lutas e tribulações, mas ao enfrentá-las faz isto com uma paz de espírito que chega a ser incompreensível aos “olhos mundanos”. O verdadeiro cristão adora ao Senhor em espírito e em verdade, não esperando nada em troca, sem reivindicações, mas com espírito de gratidão pela soberana graça de Deus. O verdadeiro cristão não está em busca de um clube social ou de um “espetáculo gospel”. Está sempre pronto para servir com humildade.
Assim, as portas de completarmos 500 anos da Reforma Protestante creio que precisamos revisitar os seus fundamentos, os cinco solas: Solus Christus (somente Cristo), Soli Deo Gloria (glória somente a Deus), Sola Fide (somente a fé), Sola Gratia (somente a graça), Sola Scriptura (somente a escritura).
Somente assim conseguiremos construir um cristianismo maduro e, como bons ceifeiros, conseguiremos fazer a obra a nós determinada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário