segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Nota Pública sobre Candidatura


Venho por meio desta nota pública declarar que NÃO serei candidato a nenhum cargo eletivo nas eleições de 2014. Trata-se de uma decisão pessoal e irrevogável, pois preciso dedicar um pouco mais de tempo para alguns projetos e principalmente para a minha família.   
Faço questão de tornar pública esta minha decisão em respeito àqueles que vêm em mim depositando confiança e expectativas na transformação de nossa sociedade através de uma nova política. Agradeço, mais uma vez, aos 1.467 eleitores que acreditaram na ultima eleição que é possível fazer política de forma diferente e que apostaram na renovação. Não conseguimos a titularidade da vaga para vereador, mas tenho convicção de que saímos vitoriosos do processo. Mostramos que é possível sim participar de um processo político sem se corromper, sem entrar no jogo da compra de votos e da troca de favores. Debatemos ideias e temos plena certeza de que plantamos uma semente.
Fico emocionado quando vejo alguma manifestação espontânea de apoio e de incentivo para não desistir. Tenham a certeza de que não desistiremos. Continuaremos, mesmo sem mandato e sem participar do próximo processo eleitoral como candidato, lutando por uma sociedade mais justa.
Manifesto também publicamente a minha não candidatura para acabar com a especulação de algumas pessoas de “alma pequena” que passaram a creditar tudo o que faço em função de interesses eleitoreiros. Fui candidato sim, mas antes mesmo de optar por uma candidatura já me envolvia em ações sociais, em atividades cívicas e na busca por uma sociedade mais justa. Não serei candidato, mas continuarei a me envolver com atividades que procurem mudar a nossa realidade social. Peço que estas pessoas evoluam e ao invés de ficarem criticando as ações de outros, procurem também fazer a sua parte.
Desta forma, tiro um peso de minhas costas, o terrível e mesquinho rótulo do interesse eleitoreiro. Se alguns veem apenas eleitores e votos, eu procuro sempre ver pessoas. Continuarei a fazer a minha parte.
Finalmente, deixo duas reflexões. Primeiro, não é porque não participamos diretamente de um processo eleitoral como candidato que não podemos ser um ator político importante. Cada um de nós pode, e deve, fazer a sua parte e exercitar o controle social sobre os nossos representantes eleitos e sobre as políticas públicas.  Segundo, por mais que saibamos que não conseguiremos mudar o mundo e acabar com as suas mazelas sociais, jamais podemos perder a utopia e o sonho de tentar fazê-lo.

Eduardo Costa

Um comentário:

  1. Caro professor,

    É com uma angústia que leio esta matéria, acompanhei sua pequena mais importante candidatura e estou convicta que se mais pessoas como o senhor se candidatassem o Estado do Pará estaria muito bem representado. Espero que algum dia possa vê-lo retomar sua trajetória política.


    ResponderExcluir