quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

O imbróglio do Pedral do Lourenço, da Hidrovia do Araguaia e da ALPA


No ano de 2010, as vésperas da eleição presidencial, o então Presidente Lula foi a Tucuruí inaugurar as Eclusas de Tucuruí. A importância desta obra se dá pelo fato de permitir a plena navegabilidade da Hidrovia do Araguaia permitindo uma maior integração intra-estadual na medida em que irá consolidar mais um eixo de conexão do Sul e Sudeste do Pará com as regiões do Tocantins, Nordeste paraense e Metropolitana.  A hidrovia também permitirá a consolidação de um eixo alternativo para o escoamento de grãos do Centro-Oeste brasileiro. Após dois anos de inauguração das eclusas a hidrovia ainda não está em operação em virtude de não ter sido feita a derrocada do Pedral do Lourenço, que continua impedindo a navegação plena do Rio Araguaia. Lamentavelmente esta ação, que foi incluída e excluída do PAC, passa a ser fundamental para a verticalização da produção mineral por viabilizar a implantação da ALPA.
Acompanhei a luta da ex-governadora Ana Júlia (PT) ao cobrar da Vale ações mais incisivas no sentido de gerar emprego e verticalizar a produção do minério de ferro no Pará. A ALPA foi pactuada entre a Vale e o Governo do Pará, creio que com a interveniência do Governo Federal. Hoje, além de não termos viabilizado a Hidrovia do Araguaia, podemos estar, dia após dia, inviabilizando a consolidação do pólo metal-mecânico em Marabá. Fico me perguntando, este imbróglio está sendo causado por quê? O Pará não é espaço prioritário por parte do Governo Federal? As diferenças político partidárias entre o Governo Federal e Estadual estão inviabilizando o projeto? Falta interesse e emprenho do Governo do Estado no sentido de cobrar o andamento dos projetos? O que sinto é que no meio de todos estes questionamentos a população do estado do Pará continua a “ver navios”. Passa-se o tempo, vão-se os minérios e ficam aqui a pobreza e a miséria!

Nenhum comentário:

Postar um comentário