segunda-feira, 8 de julho de 2013

A revolução e o pé de feijão

    Era uma vez uma semente de manifestação popular, que foi plantada contra um reajuste de R$ 0,20, relativo ao transporte público urbano em São Paulo. O tempo foi se passando, e o tímido gérmen começou a brotar em outros quintais. Em pouco tempo, sementes de todas as naturezas germinaram manifestações Brasil a fora, resultando em uma imensa árvore de reivindicações. Ela ganhou proporções imensuráveis, de forma que todos os brasileiros decidiram subir o estrondoso vegetal. Ao chegar às nuvens, eis que povo tupiniquim acordou o gigante e o trouxe como guardião, para pôr fim às inúmeras mazelas existentes aqui, em solo verde-amarelo.
    Ao descer, o gigante, que é pop, não poupou ninguém. Nem mesmo a iniciativa privada, que inocentemente achava estar imune, diante da perseguição contra as máquinas públicas, conseguiu escapar da fúria do gigante. Os comerciários da Região Metropolitana de Belém foram às ruas, e deixaram as demais categorias boquiabertas. Um confronto que durante tantos anos parecia ser impossível e desigual, à lá Davi e Golias, não deu a menor chance de reação aos patrões. Tiveram de se render ao gigante, que não adormeceu – e nem dá sinais de bocejos -, ou seja, os demais empresários que se cuidem. De fato, o povo do varejo estava atacado.
    E não se espante se na próxima semana o povo do atacado resolver seguir o varejo. E mais, se as lojas de departamentos, os motoristas, policiais, servidores públicos, enfim, se a cidade parar. Esta semana, ouvi dizer que as redações de jornais estavam em polvorosas: não sabiam qual protesto cobrir, já que o volume de manifestações supera o quadro funcional dos veículos. Na última quinta-feira, 4,  por exemplo, estavam de braços cruzados os empregados da Jucepa, da Cosanpa, os comerciários dos supermercados, os médicos, os professores de Barcarena e até os flanelinhas. Onde isso vai parar? Ah, isso ninguém sabe. O que se sabe é que um grupo quer libertar Belém, e, pra isso, conta com a força de um gigante. Um gigante com insônia.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário