sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Reflexões sobre partido político na atualidade

Este conjunto de reflexões não é um manifesto. Longe disto, mas apenas um arrazoado de algumas ideias que submeto em geral para a sociedade e em especial para os meus companheiros de partido a respeito do que podemos querer de um partido político sério. É um convite ao debate.
1. Não adianta fundar novos partidos, mudar de nome ou fundir siglas, se o elemento básico que constitui os partidos, o "ser humano", está, em geral, corrompido nos seus valores éticos;
2. Assim, um dos principais desideratos de um partido sério deveria ser o resgate dos valores éticos e a seletividade moral dos seus quadros;   
3. Um partido político sério se sustenta em teses partidárias democraticamente debatidas e sedimentadas;
4. Possui uma dinâmica de formação política que não se sustenta na promoção de "lavagem cerebral" ou de doutrinação ideológica, mas na construção de uma consciência crítica e na ampliação da visão de mundo;
5. Assenta-se sobre um projeto de sociedade, e não em projetos de poder, quer sejam individuais ou de grupos;
6. Não pensa na dinâmica eleitoral apenas em formar grandes bancadas, mas em eleger quadros que tenham compromisso com as teses partidárias e com a sociedade. Quadros que façam efetivamente a diferença em prol da sociedade;
7. Fomenta a participação política com base no altruísmo e não nas vantagens individuais;
8. É formada por uma militância que orbita os mandatos com o objetivo de exercer o controle social das políticas públicas e com a finalidade de contribuir para o exercício legislativo ou administrativos, e não para se prevalecer de favores e benesses;
9. Assenta-se na renovação de ideias e na gestão colegiada (democrática). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário