sexta-feira, 4 de abril de 2014

A política do Século XXI e a campanha eleitoral


Por Francisco Ferraz

 

Obs.: Publicado originalmente em 24/02/2014 no sitio eletrônico de Política para Políticos

 
O que se costuma chamar de politica do século XXI teve início no século XX. Ela resulta das consequências políticas da revolução nos recursos e veículos de comunicação social ocorrida no século passado.
A voz humana, o texto escrito e a imagem - os recursos fundamentais da comunicação entre as pessoas, desde o início dos tempos - foram sucessivamente transformados pelas inovações tecnológicas, acarretando mudanças na própria estrutura da sociedade moderna.
A modernização dos equipamentos e veículos de comunicação seguiu objetivos bem definidos: a velocidade, a miniaturização, a portabilidade, a multifuncionalidade, a instantaneidade, a redução no custo das operações e dos equipamentos, e a capacidade de armazenamento e processamento.
Essas mudanças, embora revolucionárias, são entretanto recentes e em constante e acelerado aperfeiçoamento e renovação. Não podemos nos esquecer que, no Brasil, a TV surgiu na década de 50, o computador pessoal nos anos 80 e o telefone celular na década de 1990.
O telefone, a televisão e o computador são os três pilares tecnológicos que provocaram essa revolução na comunicação e empurraram a política, e os demais aspectos da vida social, para uma nova era.
O modelo tradicional de fazer campanhas eleitorais, por exemplo, já foi completamente superado pelas nova tecnologia de campanha. A opinião e o palpite foram substituídas pelo conhecimento produzido pelas pesquisas; o conhecimento político, apoiado numa “alegada experiência” de passadas eleições, foi substituído pela contratação de profissionais especializados em ciência política e marketing; a assessoria partidária e familiar do candidato, pelo núcleo constituído pela assessoria em estratégia, pesquisa e publicidade, associado a quadros partidários e executivos de confiança do candidato.
Essa revolução nas comunicações produziu também um novo cidadão, com novas exigências e expectativas ao qual deve corresponder um novo político.
A linguagem que esse cidadão melhor compreende é a linguagem da TV. O período de tempo a que a ela estamos sujeitos, e a freqüência com que a ela nos expomos, impôs essa nova linguagem a todos nós.
Nossos “receptores” mentais passaram a exigir uma linguagem direta, clara, visual, concisa e conclusiva, como é a da TV.
Adquirir informações confiáveis, conceber a estratégia mais adequada e produzir a comunicação do candidato que seja compreendida, retida na memória e aceita pelo eleitor, tornou-se um desafio intelectual de grandes proporções. De seu adequado equacionamento vão depender as próprias condições de competitividade de uma candidatura.
Equivale ao enigma da Esfinge proposto a Édipo: “Decifra-me ou te devoro”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário