terça-feira, 22 de agosto de 2017

Registros do #FórumConfapBelém2017

Na última semana, de 16 a 18 de agosto, a Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa) realizou o Fórum Nacional Confap Belém 2017, do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap). A programação, que celebrou os 10 anos da Fapespa, reuniu presidentes e representante das fundações estaduais de amparo à pesquisa; presidentes e representantes de agência federais de fomento (CNPq, Capes e Finep); representantes de instituições de pesquisa; reitores de universidades; parceiros nacionais e internacionais; diretores da área de CT&I; pesquisadores; além de representantes da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). 

Durante o evento, a Fapespa também lançou Boletim de Ciência, Tecnologia & Inovação Pará 2017 e anunciou o lançamento, até o final do mês de agosto, de um novo edital de iniciação científica, totalizando R$ 1 milhão, além de quatro editais do Programa InterPará para as regiões do Marajó, Tocantins, Caeté, Capim e Guamá. Os paraenses precisam se apropriar da Fundação para garantir o amparo à pesquisa no Estado. A superação da condição de subdesenvolvimento da Amazônia passa, fundamentalmente, por investimentos em CT&I, por isso a Fapespa deve ser apropriada pela população, que precisa entender a importância do amparo à pesquisa.

Durante essa década, a Fapespa contratou 985 projetos de pesquisa, apoiou 244 eventos e ofertou 6.558 bolsas (total de R$ 80 milhões investidos). Dentre algumas ações recentes, destaco a gestão do Programa Tecnova, as parcerias no polo científico-tecnológico de Salinópolis e no Laboratório da Qualidade do Leite, o apoio técnico-científico ao polo de pesca e aquicultura em Bragança e o convênio com a Santa Casa do Pará. Vale ressaltar que os investimentos na área científica se refletem em novos produtos, novas empresas, verticalização da produção e, consequentemente, em uma economia mais dinâmica. 

Foram várias pautas debatidas ao longo do fórum, com destaque para a importância de se investir em ciência, tecnologia e inovação na Amazônia. Além disso, houve uma visita técnica ao Parque Científico e Tecnológico do Guamá, da Universidade Federal do Pará. Neste momento, pudemos mostrar aos nossos visitantes que a comunidade acadêmica do estado do Pará possui expertise e capacidade para produzir conhecimento e inovação em nível mundial, seja para o setor produtivo ou em forma de tecnologias sociais. O que falta é somente mais investimentos da União. Insistimos muito nessa questão ao longo desses dias, a Amazônia não pode ficar apenas numa agradável retórica da União. Enquanto estamos no centro dos interesses internacionais, ainda permanecemos na periferia do interesse estratégico do país. Não é razoável termos 60% do território nacional, 8% da população e do PIB e menos de 1% dos investimentos em C,T&I.

Confira alguns registros desses 3 dias do #FórumConfapBelém2017:

- Solenidade de abertura realizada na quarta-feira, 16, no Palácio dos Despachos - com o lançamento do Boletim de Ciência, Tecnologia & Inovação Pará 2017.






- Mesa redonda "O papel da Ciência e Tecnologia no Desenvolvimento da Amazônia", realizada no dia 17, na Fiepa - Com a apresentação dos dados do Boletim de Ciência, Tecnologia & Inovação Pará 2017.





- Mesa redonda "Relacionamento com Agências Federais e Organismos Internacionais", realizada dia 17, na Fiepa.







- Visita ao Espaço Inovação, do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá, na Universidade Federal do Pará, realizada no dia 18.







Nenhum comentário:

Postar um comentário